Fale conosco, e-mail, telefone e endereço.
Abertura.
Índice do Canal.
Assista On Line a TV Net Babillons
Assista On Line a TV Net Babillons

Exportações de cooperativas brasileiras crescem 672%

Os números são das vendas para os Emirados Árabes Unidos, de janeiro a junho deste ano. Para Arábia Saudita, o aumento foi de 139%. Os dados são da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).
As cooperativas agrícolas nacionais registraram um recorde nas vendas para dois países árabes no primeiro semestre deste ano. As exportações para os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita cresceram, respectivamente, 672% e 139% entre janeiro e junho. As cooperativas brasileiras vendem para 19 das 22 nações árabes. Atualmente, o bloco árabe representa 17% da receita total das vendas – em 2008 eram apenas 9%. Os dados são da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).
Segundo a Gerência de Mercados, (Germec) da OCB, o bom desempenho das exportações para àquela região do mundo vai na contramão das quedas registradas em outros mercados tradicionais como, Estados Unidos (- 71%), Rússia (- 46%) e Japão (- 31%). No resultado geral, no acumulado do ano, o recuo nas vendas das cooperativas brasileiras soma 6%.
Em entrevista concedida à ANBA, o gerente de mercados da OCB, Evandro Ninaut, disse acreditar que o enorme crescimento nas exportações para Arábia Saudita e Emirados Árabes, está diretamente relacionado às exportações de açúcar, principal fator no aumento das negociações.
“As variações encontradas entre as receitas e quantidades estão relacionadas à dinâmica na variação nos preços do açúcar em âmbito mundial. Tivemos preços muito baixos que foram elevados devido à quebra na safra da Índia, e assim o Brasil passou a ganhar mercados que não tinha antes”, avalia o especialista.
Ninaut creditou ao câmbio e aos efeitos da crise financeira sobre os países importadores a responsabilidade pelo mau desempenho dos mercados neste primeiro semestre, mas vê sinais de que as vendas externas possam igualar ou até mesmo superar os US$ 4 bilhões registrados em 2008.
“O aumento nas vendas para os países árabes, a crescente demanda do mercado asiático e a recuperação na economia de países consumidores, são indícios de que as cooperativas brasileiras estão se recuperando desde baque inicial.”, explicou.
Um salto de 672%
Dentre os 20 maiores mercados de destino das cooperativas, os Emirados Árabes Unidos registraram o maior crescimento nas importações dos produtos agrícolas nacionais. De janeiro junho, o setor arrecadou US$ 97 milhões com as 305.027 toneladas exportadas ao país. Um aumento de incríveis 672% na receita e de 3.891% no volume exportado. No fim do primeiro semestre de 2008, os Emirados Árabes ocupavam apenas a 31ª colocação na lista dos principais importadores da OCB. Hoje, o país já é o 5º maior comprador das cooperativas.
Enquanto os Emirados crescem, a Arábia Saudita se consolida como o maior comprador das cooperativas na região e o quarto maior do mundo. Segundo os números do Germec, no primeiro semestre de 2009 o país importou 412.334 toneladas de produtos, gerando um faturamento de US$ 131 milhões. Um crescimento de 139% na receita e de 103% no volume exportado, se comparado ao mesmo período do ano passado.
O açúcar foi o produto mais importado pelos países árabes. Do total arrecadado pelas cooperativas com as vendas para os Emirados Árabes, 75% são devidos somente à venda de açúcar. A porcentagem é ainda maior em relação à Arábia Saudita. Cerca de 94%.
Os números do Germec mostram que China, Alemanha e Países Baixos, mesmo registrando queda de respectivamente 6,25%, 17,54% e 19,15% na importação dos produtos cooperativistas, ainda são os maiores compradores do setor.
De acordo com os números da OCB, nos primeiros seis meses do ano as exportações das cooperativas para o mundo somaram US$ 1,7 bilhão, correspondentes a um volume de 37.668.512 toneladas.
Principais produtos
A soja, seja em grão, óleo ou farelo, continua liderando as vendas diretas das cooperativas brasileiras, com 37,90% das exportações totais. Na seqüência, com 26,70%, figuram o setor sucroalcooleiro, que corresponde aos açúcares e ao álcool etílico. As carnes, com 16,30%, aparecem na terceira colocação, logo a frente do café e dos cereais (milho, trigo, arroz e cevada), com representações de 9,30% e 3,30%, respectivamente. Estados
As cooperativas do Paraná, com uma parcela de 41,98% das vendas, seguem liderando as exportações de produtos cooperativistas. São Paulo é o segundo maior exportador, respondendo por 26,36% das vendas externas totais do setor. A terceira colocação pertence ao estado de Minas Gerais, com 9,94%.
(Pedro Figueiredo)
Fonte:ANBA - Agência Nacional Brasil Árabe.
27/08/2009