Fale conosco, e-mail, telefone e endereço.
Abertura.
Índice do Canal.
Assista On Line a TV Net Babillons
Assista On Line a TV Net Babillons

Analistas melhoram projeção para o crescimento da economia neste ano

A estimativa dos analistas do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no país, em 2010, passou de 5,08% para 5,20%, segundo informa o boletim Focus, divulgado hoje (4) pelo Banco Central. Para 2009, a estimativa de queda do PIB passou de -0,22% para -0,24%.
Essas projeções para o crescimento econômico são importantes tanto para as empresas quanto para os trabalhadores. No caso das empresas, as estimativas servem como indicativo de qual será a demanda por seus produtos. Para os trabalhadores, as projeções sobre o PIB têm a ver com a disponibilidade de emprego e até mesmo com as perspectivas salariais do mercado de trabalho.
Além da estimativa para o PIB, a publicação do Banco Central traz a expectativa para a produção industrial, que neste ano deve crescer 8%, o mesmo percentual previsto no boletim anterior. Para 2009, a estimativa é de queda, e passou de -7,62% para -7,58%.
A projeção para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB foi alterada de 43% para 42,50%, neste ano, e de 44,80% para 44,25%, em 2009. A expectativa para a cotação do dólar permaneceu em R$ 1,75 ao final deste ano.
A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) para este ano passou de US$ 11,650 bilhões para US$ 11,3 bilhões. Para 2009, os analistas esperam por um saldo comercial de US$ 24,2 bilhões, contra US$ 24,570 bilhões previstos no boletim divulgado na segunda-feira passada.
Para o déficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior) neste ano, os analistas mantiveram a estimativa em US$ 40,850 bilhões. Para 209, foi ajustada a projeção de deficit de US$ 19,050 bilhões para US$ 20,110 bilhões.
A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) subiu de US$ 35 bilhões para US$ 35,200 bilhões, em 2010, e permaneceu em US$ 25 bilhões, em 2009.(Kelly Oliveira)
Fonte:Agência Brasil.
04/01/2010