Fale conosco, e-mail, telefone e endereço.
Abertura.
Índice do Canal.
Assista On Line a TV Net Babillons
Assista On Line a TV Net Babillons

Balança Comercial fecha fevereiro com superávit de US$ 394 Milhões

Nos 18 dias úteis de fevereiro de 2010 a balança comercial brasileira apresentou superávit – diferença positiva entre as exportações e importações – de US$ 394 milhões, o que representou saldo médio diário de US$ 21,9 milhões. No mês, as exportações somaram US$ 12,197 bilhões, com média diária de US$ 677,6 milhões, e as importações US$ 11,803 bilhões (média diária de US$ 655,7 milhões). A corrente de comércio – que é a soma das exportações com as importações – foi de US$ 24 bilhões, o que significou movimentações médias diárias de US$ 1,333 bilhão.
Pelo critério da média diária, as exportações em fevereiro foram 27,2% maiores que o desempenho médio diário registrado no mesmo mês de 2009 (US$ 532,6 milhões). Nesse período, os principais produtos exportados foram manufaturados, que somaram US$ 5,321 bilhões, valor 14,9% maior que o registrado em fevereiro do ano passado. Esse aumento foi puxado por laminados planos de ferro e aço (+90,7%), automóveis (+90,1%), óleos combustíveis (+65,3%), polímeros plásticos (+58,7%), óxidos e hidróxidos de alumínio (+49,4%), veículos de carga (+47,7%), bombas e compressores (+36,4%), açúcar refinado (+31,9%), autopeças (+30%), pneus (+19,3%) e calçados (+10,1%).
As exportações de básicos somaram US$ 4,755 bilhões, valor recorde para meses de fevereiro. Em relação a fevereiro do ano passado a cifra foi 36,3% maior, por conta, principalmente, de petróleo em bruto (+136,1%), minério de cobre (+1.471,4%), carne bovina (+42,5%), farelo de soja (+38,8%), carne de frango (+37,4%), minério de ferro (+17,2%) e café em grão (+6,9%).
Os embarques de produtos semimanufaturados totalizaram US$ 1,795 bilhão, o que representou um aumento de 37,7%, na mesma comparação. Esse crescimento é devido às exportações de ouro em forma semimanufaturada (+93,8%), ferro-ligas (+90,5%), couros e peles (+75,7%), óleo de soja em bruto (+71%), açúcar em bruto (+62,3%), alumínio em bruto (+43,3%), celulose (+37,2%) e semimanufaturados de ferro e aço (+20,9%).
Por mercados, as exportações brasileiras cresceram para Europa Oriental (+76,9%), Mercosul (+56,8%), Oriente Médio (+50,8%), Ásia (+33,2%), União Européia (+24,9%), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (+24,3%) e Estados Unidos (+17,3%). Na contramão, as exportações para a África caíram 3,1%.
Na comparação com janeiro de 2010, quando a média diária das exportações foi de US$ 565,3 milhões, o aumento foi de 19,9%. Nessa comparação, cresceram as exportações de produtos das três categorias: manufaturados (+20,6%, para US$ 10,519 bilhões), semimanufaturados (+21,6%, para US$ 3,512 bilhões) e básicos (+28,6%, para US$ 8,830 bilhões).
Importação
No mês, a média diária das importações ficou 50,8% acima da verificada em fevereiro do ano passado (US$ 434,7 milhões). As importações de combustíveis e lubrificantes cresceram 92,8%. De acordo com análise da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o crescimento foi justificado pela alta nos preços internacionais de petróleo e também aumento de preço e na quantidade importada de óleos combustíveis.
As aquisições de bens de consumo acresceram 54,3%, com destaque para máquinas e aparelhos para uso doméstico, automóveis, partes e peças de bens de consumo duráveis, móveis, produtos alimentícios, farmacêuticos, produtos de toucador, objetos de adorno e vestuário.
Dentre as matérias-primas e intermediários, cujas importações cresceram 50,3%, os principais desembarques foram de matéria-prima para agricultura, produtos minerais, produtos agropecuários não alimentícios, partes e peças de produtos intermediários, produtos alimentícios, químicos, farmacêuticos e acessórios de equipamentos de transporte.
As importações de bens de capital incrementaram 30,7% por conta de acessórios de maquinaria industrial, máquinas e aparelhos para escritório e científico, equipamento móvel de transporte e partes e peças para bens de capital para indústria.
Por mercados, houve acréscimos nas importações originárias do Oriente Médio (+106,8%), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (+132,6%), Europa Oriental (+125,7%), África (+106%), Ásia (+50,7%), Mercosul (+50,5%), União Européia (+40,3%) e Estados Unidos (+8,7%).
Em relação a janeiro deste ano, quando a média diária das importações foi de US$ 573,6 milhões, o crescimento foi de 14,3% por conta das aquisições de combustíveis e lubrificantes (+34,4%), matérias-primas e intermediários (+34,0%), bens de capital (+17,2%) e bens de consumo (+45,7%).
Por mercados fornecedores, na comparação com janeiro-fevereiro de 2010, reduziram-se as compras originárias apenas dos Estados Unidos (-2,9%). Os demais blocos econômicos apresentaram o seguinte desempenho: Europa Oriental (+62,8%), Oriente Médio (+25,9%), África (+114,2%), Mercosul (+55,6%, sendo +55,6% da Argentina), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (+46,7%), Ásia (+35,6%, sendo que da China cresceu 38,0%) e União Européia (+31,3%).
Os principais países de origem das importações foram: Estados Unidos (US$ 3,6 bilhões), China (US$ 3,2 bilhões) e Argentina (US$ 1,9 bilhões).
Quarta semana
Na quarta semana de fevereiro (de 22 a 28), as exportações brasileiras somaram US$ 3,429 bilhões, com média diária de US$ 685,8 milhões, e as importações US$ 3,770 milhões (média diária de US$ 754 milhões). No período, houve déficit – diferença negativa entre as exportações e as importações – de US$ 341 milhões e o fluxo comercial foi de US$ 7,199 bilhões (média diária de US$ 1,439 bilhão).
Ano
No ano, até fevereiro, as exportações brasileiras somaram US$ 23,502 bilhões, com média diária de US$ 618,5 milhões. Esse valor foi 24,5% maior que o verificado no mesmo período de 2009, quando a média diária das exportações foi US$ 496,6 milhões.
As importações totalizaram US$ 23,274 bilhões, com média diária de US$ 612,5 milhões. Por esse critério, houve incremento de US$ 31,7% na comparação com o mesmo período de 2009 (média diária de US$ 465 milhões).
No ano, o superávit acumulado é de US$ 228 milhões, com média diária de US$ 6 milhões. Esse saldo é 81% menor que o registrado no mesmo período de 2009, quando a média diária foi de US$ 31,6 milhões.
Na mesma comparação, a média diária do fluxo comercial cresceu 28%. Nos dois primeiros meses do ano passado somou US$ 961,6 milhões - de um total de US$ 37,504 bilhões - , já em 2010 ficou em US$ 1,230 bilhão - resultado médio diário da corrente de comércio de US$ 46,776 bilhões.
Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
01/03/2010