Fale conosco, e-mail, telefone e endereço.
Abertura.
Índice do Canal.
Assista On Line a TV Net Babillons
Assista On Line a TV Net Babillons

Micro e pequenas empresas terão quase R$ 1 bilhão para inovar até 2013

A partir deste mês de janeiro, o Sebrae colocará em operação a nova formatação do Programa Sebraetec, um instrumento que permite ampliar o acesso das micro e pequenas empresas à inovação e tecnologia. O programa é focado no aumento da competitividade por meio da inovação e tecnologia, visando, entre outros aspectos, à redução de desperdícios, ao aumento da produtividade, à segurança dos empregados e à adequação de produtos para competir no mercado interno e externo.
O Sebraetec contará com R$ 787,5 milhões no triênio 2011-2013. Considerando outros programas da área da inovação e tecnologia, serão aplicados quase R$ 1 bilhão em projetos que promovem a competitividade, a inovação e o desenvolvimento sustentável dos micro e pequenos empreendimentos. Em 2010, o orçamento total do Sebrae foi de aproximadamente R$ 1,8 bilhão.
Além de aumentar a competitividade e eficiência das MPE, o objetivo do Sebrae, segundo o diretor técnico da instituição, Carlos Alberto dos Santos, é desmistificar a ideia de que toda a inovação exige uma tecnologia complexa e cara. “Inovação é agregar valor para o consumidor. Inovar é fazer diferente para fazer melhor. Não necessariamente a um custo elevado”, disse.
O presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, destaca que a inovação nas micro e pequenas empresas é necessária para que o País continue crescendo. “O crescimento econômico depende de empresas competitivas que façam frente à concorrência internacional”, explica.
Novo programa
A nova plataforma do Programa Sebraetec está ainda mais focada no aumento da competitividade por meio da inovação e tecnologia, visando, entre outros aspectos, à redução de desperdícios, ao aumento da produtividade, à segurança dos empregados e à adequação de produtos para competir no mercado interno e externo.
“No passado, tínhamos empresas quebrando porque o grande problema era a falta de mercado. Isso já passou, o País está crescendo. Não queremos agora ter empresas quebrando por conta da concorrência, que faz parte da lógica de mercado. Não podemos tolher a concorrência, mas podemos fomentar a inovação tecnológica nas empresas para enfrentar essa concorrência”, disse o diretor técnico do Sebrae.
Cinco frentes
O novo Sebraetec terá cinco frentes de atuação, segundo o gerente de Inovação e Tecnologia do Sebrae, Edson Fermann. As duas primeiras frentes serão direcionadas à área de tecnologia (básica e avançada), duas serão no ramo de inovação (incremental e de ruptura) e uma em Indicação Geográfica de produtos.
Para provar que a inovação pode ter custos baixos, a frente destinada a área de tecnologia (básica e avançada) receberá projetos entre R$ 10 mil e R$ 30 mil, com 50% de subsídio do Sebrae. “Em três anos, deveremos atender 47 mil empresas nessas duas frentes”, disse Fermann.
Os Serviços Tecnológicos Básicos são os de baixa complexidade, a exemplo de trabalhos na área de redução de desperdício, eficiência energética, elaboração de pedido de registro de patentes e softwares, ensaios e medições metrológicas, entre várias outras soluções.
Já na tecnologia avançada podem entrar as pequenas empresas que pleiteiam estudos de viabilidade técnica e econômica sobre seus negócios e apoio à certificação de produtos e processos nos órgãos de normatização oficiais. Também podem se candidatar as empresas que buscam melhoria, atualização e modernização tecnológica de máquinas e equipamentos.
O Sebraetec, em todas as suas modalidades, pretende contemplar 48 mil empresas em todo o Brasil. Qualquer empresa, formalmente estabelecida, inclusive na área rural, que tenha um problema, precise de uma consultoria na área de inovação ou já tenha um projeto pode procurar um dos postos do Sebrae espalhados por todo o País ou ligar para a Central de Relacionamento Sebrae (0800 570 0800) e pedir uma consultoria.
“Iremos trabalhar com as empresas individualmente, por meio de editais nos estados, e também em grupos, como os Arranjos Produtivos Locais e os projetos de Indicação Geográfica. Deveremos ter 824 projetos nos três anos”, disse Fermann. (Beth Matias)
Fonte: SEBRAE.
05/01/2011