Fale conosco, e-mail, telefone e endereço.
Abertura

Presidente Lula entrega Prêmios de Ciência e Tecnologia e garante Investimentos no Setor

Durante a entrega dos prêmios Jovem Cientista e Almirante Álvaro Alberto, nesta terça-feira (15), o presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, ressaltou a importância de se investir no desenvolvimento científico e tecnológico para o progresso do País. “A ciência e a tecnologia contará com recursos nunca antes investidos nos país”, garantiu. Enfatizando o potencial dos jovens nesse processo, o presidente afirmou que “o Brasil tem mais de 50 milhões e 500 mil jovens com idade entre 15 e 29 anos, que reúnem potencial suficiente para movimentar a gigantesca usina de inovação, riqueza e justiça social de que tanto precisamos". Lula cobrou, ainda, uma maior mobilização para que cada vez mais jovens participem dos prêmios. "Todos temos a obrigação de acreditar que um evento dessa magnitude será infinitamente melhor para o Brasil quando criarmos as condições de muito mais gente participar”. Agradecimento O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, aproveitou a oportunidade para fazer um agradecimento especial ao presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT), Erney Camargo, ressaltando o crescimento da ciência e tecnologia nos últimos quatro anos. “Tivemos o maior aumento percentual no número de bolsas, passando de 45 mil para 65 mil. Além disso, o CNPq voltou a ter um papel importante na implantação de uma política de ciência e tecnologia”, disse o ministro, afirmando que “dificilmente o setor teria contado com alguém tão preparado como Erney Camargo”. Prêmio Jovem CIentista Uma iniciativa do CNPq, Grupo Gerdau, Eletrobrás/Procel e Fundação Roberto Marinho, o Prêmio Jovem Cientista está em sua 22ª edição e é um reconhecimento a pesquisas inovadoras realizadas por estudantes dos ensinos médio e superior. Em 2006, com o tema “Gestão sustentável da biodiversidade: desafio do milênio”, o Prêmio Jovem Cientista agraciou, na Categoria Graduado, Milena Rodrigues Boniolo, do Instituto de pesquisas Energéticas e Nucleares – Ipen; Joana Fidelis da Paixão, da Universidade Federal da Bahia; e Hugo Marcelo Veit, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Na Categoria Estudante do Ensino Superior, os vencedores são Ericka Patrícia de Almeida Lima-Verde, da Universidade Federal da Paraíba; Guilherme Amstalden Valarini, da Escola de Engenharia de Piracicaba; e Marcela Galvão Bernardini, do Centro Universitário Positivo Unicenpm, do Paraná. Os primeiros colocados da Categoria Estudante do Ensino Médio foram Felipe Arditti, da Escola Brasileira Israelita Chaim Nachman Bialik; Jarbas Batista Silva Araújo, da Escola Estadual Dom Nivaldo Monte; e Andréia Evangelista dos Santos Cefet de Minas Gerais. Na categoria Mérito Institucional, receberam o prêmio a Universidade de São Paulo (USP) e a Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, de Novo Hamburgo (RS). O professor Carlos Alfredo Joly, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), recebeu uma Menção Honrosa por sua qualificação, experiência, capacidade de formação de pesquisadores e produção científica e foram também concedidos dois diplomas de reconhecimento às estudantes Thaís Sholl Guimarães Corrêa, da Fundação Oswaldo Cruz, e Anna Carolina Keinert, da Universidade Federal do Paraná. Segundo o presidente Lula, o alto nível dos trabalhos premiados mostra a vocação do País como potência ambiental. “É preciso fazer um agradecimento cívico a todos os premiados. Vocês revitalizaram a esperança em nós”, avaliou. Vencedora entre os graduados, Milena Boniolo teve a oportunidade de fazer uma breve explanação da sua pesquisa e aproveitou para cobrar ações em prol da absorção dos pesquisadores pelo mercado. “Queremos que os jovens cientistas de hoje possam ser jovens empreendedores amanhã”, disse. Prêmio Almirante Álvaro Alberto de Ciência e Tecnologia Na cerimônia, foi homenageado também o pesquisador Fernando Galembeck com o Prêmio Almirante Álvaro Alberto de Ciência e Tecnologia. Considerada a mais importante premiação do País, o Prêmio é um reconhecimento e estímulo a pesquisadores e cientistas brasileiros pelo trabalho realizado em prol do progresso da ciência e tecnologia e por contribuir para o desenvolvimento de sua área de atuação. Galembeck, professor titular da Unicamp e bolsista de Produtividade em Pesquisa 1A do CNPq, tem uma atuação de destaque nas aplicações da físico-química à tecnologia industrial. Uma de suas pesquisas mais importantes resultou na criação de um novo pigmento branco para tintas, que, além de gerar uma nova atividade industrial no Brasil e no exterior, caracteriza-se pelo baixo impacto ambiental. Durante o discurso de agradecimento, Galembeck ressaltou a principal característica de suas pesquisas, a possibilidade de aplicação industrial, gerando emprego e renda. “O saber só vale se o transformamos em benefícios”, apontou.
Fonte:Assessoria de Comunicação do CNPq
15/05/2007


Página de aberturaÍndice de notícias.

Índice do Canal